Óleo Lubrificante: Entenda tudo sobre o companheiro mais importante do motor do seu veículo

16 comentários

Falamos há algum tempo no MOB sobre esse assunto que ainda pega muita gente de surpresa. A simples troca de óleo no período recomendado pelo fabricante não é o único fator que irá determinar a durabilidade do componente mais importante de um veículo, o seu motor.

Aproveitando que o tema sempre é recorrente nos e-mails que recebo dos leitores e das dúvidas que chegam até a mim pelas pessoas mais próximas, resolvi compartilhar com vocês um artigo interessante, que recebi hoje via e-mail, sobre a escolha do óleo ideal para o seu veículo.

“Eliminação da garantia do veículo, redução da vida útil do óleo, mau funcionamento, desgaste prematuro das peças, superaquecimento e má limpeza do sistema são outros fatores ocasionados
Existem muitas dúvidas na hora de trocar o óleo, desde saber sobre em quanto tempo deve-se fazer a troca, até como medir a quantidade ideal de óleo no motor ou verificar como substituir corretamente a marca de lubrificante indicada no manual do carro por uma similar.”

“Estas e outras questões simples de consumidores são esclarecidas pelo especialista e gerente técnico da TOTAL Lubrificantes, Marcelo Beltran. O profissional explica dúvidas muito comuns, mas que fazem total diferença no desempenho do veículo. São elas:”

Por que é importante trocar o óleo do seu carro?

“Com o passar do tempo, o óleo do motor pode perder a sua viscosidade. A viscosidade faz com que o óleo permaneça por mais tempo revestindo as partes móveis que ficam em contato dentro do motor, como bielas, aneis, cilindros, bronzinas, mancais, comandos, válvulas, etc. Perdendo a viscosidade, o atrito entre as peças poderá comprometer o bom funcionamento do motor, diminuindo sua vida útil, reduzindo o desempenho, consumindo mais combustível, e ao médio ou longo prazo, provocar desgaste prematuro nos anéis, fazendo com que o motor “queime óleo”, até que o leve à retífica.”

Como avaliar qual tipo de óleo usar?

“Seguir sempre a recomendação do Manual do Proprietário.”

Onde eu devo trocar o óleo?

“Existem 4 premissas para a lubrificação bem feita; utilizando o lubrificante correto, na quantidade indicada, utilizando as ferramentas e dispositivos de lubrificação adequados e na troca na periodicidade recomendada. É adequado procurar locais com a estrutura necessária e com a equipe treinada tecnicamente para atender a estas premissas, que normalmente são: concessionárias, postos de serviço, super trocas, oficinas mecânicas especializadas e redes de pneus.”

Quais critérios se devem analisar, quando for substituir o óleo indicado no manual por um similar?

“Devem obedecer às especificações do óleo recomendado do Manual do Proprietário, de acordo com a viscosidade SAE (Sociedade de Engenheiros Automotivos), e com a aditivação API (Instituto Americano de Petróleo), ACEA, ILSAC ou JASO. Todos os lubrificantes contêm as informações nos rótulos sobre homologações e especificações.”

Por que estamos vendo com muito mais frequência a recomendação de lubrificantes semissintéticos pelas montadoras?

“Os óleos semissintéticos ou de base sintética, possuem performance superior comparada a dos óleos minerais, com custos inferiores a dos sintéticos, associando custo x benefício com a evolução da tecnologia dos motores.”

Quando se deve completar o nível de óleo?

Com o uso do carro, o nível do óleo baixa um pouco devido às folgas do motor e à queima parcial na câmara de combustão. Assim, enquanto não chega o momento de trocar o óleo, deve-se completar o nível gradativamente.

Qual a diferença entre óleos sintéticos, semissintéticos e minerais?

“O lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos. Sua função no motor é lubrificar, evitar o contato entre as superfícies metálicas e refrigerar, independentemente de ser mineral ou sintético. A diferença está no processo de obtenção dos óleos básicos. Os óleos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, sendo uma mistura de vários compostos. Os óleos sintéticos são obtidos por reação química, havendo assim maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de cadeia molecular, com diferenças características físico-químicas e por isso são produtos mais puros.
Os óleos semissintéticos ou de base sintética, empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo, associando a otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo muito elevado.
Não é recomendado misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente de empresas diferentes. Seus óleos básicos apresentam naturezas químicas diferentes e a mistura pode comprometer o desempenho de sua aditivação, podendo gerar depósitos. Além disso, não é economicamente vantajoso, já que o óleo sintético é muito mais caro que o mineral e a mistura dos dois equivalem praticamente ao óleo mineral, sendo, portanto, um desperdício.
Uma dica interessante se refere à troca de óleo mineral por sintético. É importante trocar o filtro de óleo junto com a primeira carga de sintético e trocar esta carga no período normal de troca do veículo em função da sua utilização.”

Qual o nível correto do óleo no carro?

“São os traços da vareta de óleo que indicam o nível. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, o nível correto se encontra entre os dois traços e não só no traço superior. Se o óleo fica abaixo do mínimo da vareta, o motor pode ser prejudicado por falta de lubrificação. No entanto, se o óleo fica acima do máximo da vareta, haverá aumento de pressão no cárter, podendo ocorrer vazamento e até ruptura de bielas, além do óleo em excesso ser queimado na câmara de combustão sujando as velas e as válvulas, danificando também o catalisador no sistema de descarga do veículo.”

Quando se deve trocar o óleo do carro? Há algum sinal que o veículo apresente?

O correto é seguir rigorosamente a recomendação do Manual do Proprietário de acordo com a quilometragem, ou, geralmente após 6 meses. Alguns sinais são a perda de potência e o superaquecimento.
Por que motor deve estar quente na hora de troca de óleo?
Facilita a saída das impurezas pelo dreno do Carter, pelo fato de estar menos viscoso (mais fino) e as partículas estarem dispersas em suspensão.

Quanto tempo deve-se esperar para medir o nível de óleo?

É importante que se espere pelo menos 15 minutos após o motor ter sido desligado para medir o nível. Isso ocorre porque, neste tempo, o óleo vem descendo das partes mais altas do motor para o cárter e assim podemos ter a medida real do volume, mas sabe-se que dificilmente este período é respeitado nos postos de serviço.

Qual a diferença entre “serviço severo” e “serviço leve”, que são termos usados pelos fabricantes de veículos quando falam em intervalos de troca?

No serviço severo os veículos trabalham com carga em centro urbano, e/ou com baixa velocidade no tráfego tipo “anda e para” e/ou por pequenas distâncias, e/ou de até seis quilômetros (grande troca de marcha) e/ou ambiente externo sujeito à contaminação por poeira. O serviço leve ocorre com o veículo sem carga, em velocidade constante na estrada por percursos longos, com boa pavimentação, e em ambiente externo não agressivo.

O filtro de óleo também deve ser trocado? Quando?

Sim. O óleo, com seus aditivos detergentes e dispersantes, carrega as sujeiras que iriam se depositar no motor. Ao passar pelo filtro, as impurezas maiores ficam retidas, e as menores continuam em suspensão no óleo. Chega um momento em que o filtro, carregado de sujeira, dificulta a passagem do óleo, podendo causar falhas na lubrificação. A situação se agrava quando ocorre o bloqueio total do filtro de óleo, o que pode causar sérios danos ao motor. O período de troca do filtro de óleo também é recomendado pelo fabricante do veículo e consta do manual do proprietário. Deve ser feita a cada duas trocas de óleo. Hoje já existem fabricantes que recomendam a troca do filtro a cada troca do óleo, para que não haja mistura do óleo novo com o residual que se encontra no filtro.

Quais são os perigos de se usar um óleo incorreto?

Perda da garantia da montadora, redução da vida útil do lubrificante, mau funcionamento, desgaste prematuro das peças, superaquecimento, má limpeza do sistema e consequentemente a perda do motor, entre outros.
Qual é a relação entre usar combustível de um posto não muito confiável e a questão da lubrificação?
Combustíveis adulterados são danosos ao motor e implicam queima inadequada e excesso de sujeira no motor. Lubrificantes de maior performance, como semissintéticos e sintéticos poderiam resistir um pouco mais que os minerais, mas não seriam suficientes para evitar a borra em motores que rodam com combustíveis fora das suas especificações, principalmente aqueles adulterados com solventes.

Por que é recomendável utilizar óleo sintético no motor do veículo?

O óleo sintético resiste mais à oxidação gerada pela temperatura, tem menos perda por evaporação, menor formação de borras e lacas e em alguns casos, atração molecular. Embora os lubrificantes sintéticos ofereçam qualidade superior, a maioria dos fabricantes de veículos ainda não diferencia os períodos de troca entre sintéticos e minerais. Existem lubrificantes sintéticos com viscosidade muito abaixo da recomenda pela Montadora para um determinado modelo. Portanto, recomendamos seguir a indicação do Manual do Proprietário.

Fontes | Fran Press Assessoria de Imprensa / Total

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quer saber mais?

Artigos

Artigos relacionados que vão te interessar

Ver mais

+ Deixe um comentário

Comentários

  • 1

    Avatar de Deyvis !
    Deyvis | 2 estrelas

    Interessante esse post Rosalvo, entretanto continuei com minha dúvida: possuo um Uno fire flex 8v, e no manual fica claro que em condições não severas de uso a troca do óleo deve ser feita a cada 15 mil km, mas conversando com várias pessoas, entre elas o mecânico que trocou o óleo do meu carro, elas me dizem que a troca deve ser feita a cada 5 mil ou 7 mil dependendo do óleo. Você sabe me explicar isso?

  • 2

    Avatar de Vinicius Vasques !

    Uma outra dúvida que fica é quando alguns mecânicos recomendam o uso de óleos minerais 20w40 em motores com mais de 100 mil rodados. O óleo de fábrica é o sintético 10w50.

    Sei que isso pode ser extremamente perigoso num gol 1.0 16v, mas existe mesmo essa relação de aumentar a viscosidade para proteger melhor as peças já desgastadas?

  • Respondendo a #2:
  • 12

    !
    | 1 estrelas

    Você deve sempre utilizar o óleo recomendado pela montadora desde novo até mesmo altas quilometragens. Não se recomenda modificar a viscosidade do lubrificante podendo ocasionar problemas graves de lubrificação, chegando até mesmo a fundir o motor se assim o fizer.

  • 3

    Avatar de O. Klótzs !

    Rosalvo, não sou especialista em nada, mas o que ele disse basicamente é que devemos ler o manual do carro. É o que faço e os meus carros sempre rodaram bem. Há alguma exceção a essa regra? Se não há, o post é meio inútil... Mas valeu a intenção.

    Abraços a todos. Me manda três ingressos para o Salão, se você tiver... Por favor.

  • 4

    Avatar de ERICH L. BENDLIN !

    Faltou as nomenclaturas SF, SH, SJ, SL, SM referente a qualidade do óleo, tenho um Fiat Palio Fire Flex 2008 no manual diz 15.000 km mas a propria concessionaria trocou com 7.500 km, aí perguntei sobre o que estava escrito no manual e me disseram que no manual é para oleos 100% sinteticos, como no meu carro é base sintetica fica valendo os 7.500 km, alerto que foi isso que me informaram na Barigui Veículos Fiat em Ctba, meu carro está hoje com 37.800 km sábado passado fiz a primeira troca de óleo e filtro fora da concessionaria e coloquei o SM15W40 da Mobil Super Protection, o frentista me informou que é para 7.500 kms estou na duvida até hoje e na propria Mobil no 0800 não sabem me informar se este óleo aguenta os 7.500 kms ou é um óleo para 5.000 kms, se alguem puder tirar esta duvida que me ronda, agradeço! Abraço a todos

  • 5

    Avatar de Otavio !
    Otavio | 2 estrelas

    Estava meio sumindo em rosalvo. Bom post esse, pegando pronto tambem fica fácil. já tinha lido isso. recomendo.

  • 6

    Avatar de Rosalvo !

    É Petter, vc está correto, mas sabe que 90% das pessoas nunca abrem o manual do carro e preferem acreditar no frentista?

    Erich, se você observar bem no manual eles falam sobre serviço pesado e ou condições severas de utilização. Outro item que falam também é sobre o tempo de troca, uma coisa que poucos observam.

    Um veículo que rode o tempo todo na cidade tem uso severo e por isso geralmente trocam com a km indicada no manual, 7500 km. O Corsa que temos em casa, o Civic e o Palio (yes, meu irmão mandou o novo Gol embora e tá com um Palio 1.4 ELX agora, bem melhor que o Gol por sinal...) trocam na metade do recomendado pelo manual, considerando serviço pesado.

    Lembro que Fiat antigamente tinha um opcional que era um filtro de ar para serviço pesado, que era para utilizar em carro de frota.

    Abraços!

  • 7

    Avatar de Rosalvo !

    Otavio,

    Obrigado pela parte que me toca... rs

    Vc é uma figura viu!

  • 8

    Avatar de Tuiuba !
    Tuiuba | 2 estrelas

    Trocar oleo muito cedo é jogar dinheiro fora, todos os bons oleos que temos no mercado, rodam no mínimo 10.000 km. O oleo quando está escuro ou preto, não perde a capaciade de lubrificar. As revendas e as dist. de petróleos nos enganam fazendo-nos consumir mais seus produtos que hoje em dia sobram nas prateleiras, e depois esta estória de dizer que o motor se sente bem com oleo novinho é balela, devemos sim respitar a indicação do manual para clasificação do oleo a usar, mesmo assim há de se duvidar quando alguns estangeiros pensam que Brasil é 40 graus de calor, manda no manual de seus veículos usar oleos como o 20 -50W, em motores que giram até 13000 RPM, é um oleo muito grosso e vai consequentemente prejudicar a lubrificação da maquina encurtando a sua duração.

  • Respondendo a #8:
  • 15

    !
    | 1 estrelas

    A troca indicada para 10.000 km, independente da marca ou qualidade do óleo, só pode ser realizada desde que você percorra longos percursos, em estrada pavimentada, livre de poeiras, estradas normalmente planas, com velocidade constante. Isso se chama regime leve . Se porventura você só utiliza seu veículo em cidade o caso já muda de figura. O regime , neste caso é considerado severo, pois existe mudanças constantes de marcha, o veículo só anda em alta temperatura exigindo demais do radiador e do próprio lubrificante, cujas funções principais são de lubrificar e refrigerar o motor, portanto a troca deve sim ser feita com menor quilometragem. Estradas poeirentas ( zona rural ) também contribuem para uma troca de menor km, inclusive com trocas mais frequentes dos filtros de ar e óleo. Já no caso de fazer percurso misto, ou seja, cidade e estrada pode=se estender a troca para até 7.500 km.

  • Respondendo a #15:
  • 16

    !
    | 1 estrelas

    Utilizar sempre o lubrificante com vscosidade e API indicado pelo fabricante do veículo.

  • 9

    Avatar de Marco Verdin !

    Tenho uma Palio Weekend 2009 1.4 Fire Flex ELX , troquei o óleo hoje Selenia 5W30 tres litros e filtro Fran , porém após a troca fomos verificar o nivel do óleo e na vareta só aparecia manchado de óleo a metade da vareta, portanto faltava meio litro para completar a vareta, pergunta. Aonde estão os tres litros de óleo? O óleo sumiu ou a vareta esta com defeito? Se puderem me ajudar agradeço. PS. Comprei o óleo na concessionária Fiat ( será que um frasco veio com menos de 1 litro?

  • Respondendo a #9:
  • 14

    !
    | 1 estrelas

    O lubrificante e o filtro que você mencionou são de boa qualidade, sugiro verificar no manual do veículo qual a quantidade correta de lubrificante que vai com a substituição do filtro. Se tudo estiver correto faça uma visita à concessionária ou seu mecânico de confiança pra ver o que está ocorrendo.

  • 10

    !
    | 1 estrelas

    eu quero aprender mais sobre oleos lubrificantes sobre api e etc

  • 11

    Avatar de arthur2013 !

    QUAL ÓLEO USAR RENAUL CLIO 1.0 100MIL KM

    Olá, Preciso da ajuda de vocês, tenho um renault Clio 1.0 8v 2004 - com 100mil km, preciso trocar o óleo, ando no máximo 10km dia e pego pouca estrada também... ando mais nos finais de semana.

    Preciso saber qual é o melhor, para garantir mais tempo de vida para o motor.

    Obrigado

  • Respondendo a #11:
  • 13

    !
    | 1 estrelas

    Utilizar lubrificante 100% sintético 10w40, ou no mínimo semi sintético 10w40 ou 15w40. O fato de andar pouco não significa muita coisa, pelo contrário, é o que chamamos de regime severo, poi deve andar somente em cidade, percursos curtos, o carro nunca anda com a temperatura constante, troca de marcha toda hora, portanto a troca deve ser realizada a cada 5.000 km ou seis meses, o que chegar primeiro.

Comentar

Para deixar um comentário é necessário se identificar: ENTRA ou conecte-se com Facebook Connect

Publicidade

Seções

Caterham

Crash test

WSL Weblogs SL